Busca:

Etiqueta Arquivos: economia brasileira

Resultado do comércio reflete desaceleração da economia


A estagnação do volume de vendas do comércio varejista brasileiro em outubro deste ano, na comparação com setembro, reflete a atual situação de desaceleração da economia brasileira. A avaliação é do pesquisador Reinaldo Pereira, da Coordenação de Serviços e Comércio do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

desaceleração economica

“Não tivemos crescimento no comércio, o que está de acordo com o que estamos vivendo, que é esta desaceleração do crescimento da economia. Nós tivemos seis atividades [de comércio varejista] das dez que pesquisamos com sinal negativo [queda] e apenas quatro com sinal positivo [alta].”

Entre as dez atividades do comércio varejista ampliado, as únicas que apresentaram aumento no volume de vendas foram os equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação (3,6%), combustíveis e lubrificantes (0,6%), móveis e eletrodomésticos (1,1%) e livros, jornais, revistas e papelaria (2,7%).

Mais

Menor crescimento para o Brasil estimado pela Fitch


A agência de classificação de risco Fitch reviu para baixo hoje sua previsão de crescimento para a economia do Brasil em 2011 para 2,8%, da estimativa anterior de 3,5%. Em seu relatório trimestral Perspectiva Econômica Global, a agência afirma ainda que o PIB brasileiro deve crescer 3,2% em 2012.

Fitch ratings

“A economia brasileira desacelerou este ano devido à política monetária mais apertada, incluindo medidas prudenciais para controlar o crescimento do crédito e uma postura fiscal restritiva.

O setor manufatureiro foi atingido pela força do real até recentemente e o fim de medidas de estímulo. Questões estruturais como a alta carga de impostos e a fraca infraestrutura estão dificultando a competitividade do setor”, diz a Fitch no relatório.

Mais

Economia do Brasil desacelera


A economia brasileira deve registrar em 2011 o melhor desempenho em 25 anos, mas o terceiro trimestre deste ano foi, talvez, a pausa para tomar fôlego. Essa pausa, no entanto, não foi suficiente para alterar as posições relativas entre os Brics (grupo formado por Brasil, Rússia, Índia e China).

desaceleração brasil

O crescimento de 6,7% entre julho e setembro (sobre o mesmo período de 2009) marcou a terceira posição do Brasil no grupo, na qual o país já vinha se mantendo. Na lanterna está a Rússia, que teve um crescimento de 2,7% no trimestre passado.

O desempenho estelar da China, com 9,6% de crescimento, garante ao país uma liderança quase isolada no grupo – a Índia é o candidato que mais incomoda na disputa, com avanço de 8,9%. A distância entre ambos já foi maior: a China cresceu 10,3% no segundo trimestre, e a Índia cresceu 8,8% no mesmo período.

Mais

Novo cenário do Brasil de cara ao futuro do Euro


A pouco tempo de completar dez anos de existência, em 1º de janeiro de 2012, o euro, moeda que simboliza a aliança entre os países que compõem a União Europeia (UE), vive seu momento de maior fragilidade.

crise zona euro

Caso a falta de integração fiscal entre essas nações não seja resolvida – ou pelo menos atenuada -, já é cogitada por economistas uma medida drástica de afastamento de integrantes, que voltariam a usar suas moedas antigas. Nesse cenário de forte pessimismo, o Brasil vive uma situação de certo conforto, amparado pelo poderio oferecido pelo mercado interno. No entanto, a inflação e o endividamento preocupam.

Momento de freio

“A economia vive um momento de freio, mas não pela crise europeia e mais por questões internas. O problema para o qual temos que atentar é o endividamento.

Mais

Estrangeiros mantêm confiança no Brasil a pesar da crise


Somente em 2011 os investimentos no país devem alcançar US$ 282,2 bilhões, cerca de 5% acima dos US$ 268,8 bilhões de 2010.

investimentos estrangeiros

Mesmo com a crise, investidores internacionais mantêm confiança na economia brasileira. O Ministério da Fazenda informa que, com base em sondagens e anúncios de empresas internacionais, somente em 2011 os investimentos no país devem alcançar US$ 282,2 bilhões, cerca de 5% acima dos US$ 268,8 bilhões apurados em 2010.

Na publicação “Economia Brasileira em Perspectiva” relativa ao período agosto-outubro, a Fazenda aponta que os investimentos em infraestrutura devem crescer 54%, no período 2011 a 2014, situando-se ao redor de R$ 381 bilhões, com base em informações do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Mais

Medidas para manter o crescimento do Brasil


Ao contrário do que pensava muita gente, a crise econômica que atinge a Europa, especialmente Grécia, Portugal e Espanha, com ameaças pairando sobre a Itália também, contribuiu para a estagnação no ritmo de crescimento do Brasil no último 3º trimestre.

crescimento

Outro fator impactante foi a redução no ritmo do consumo das famílias, o que está ligado em parte à crise econômica europeia, e em parte à política de juros do Banco Central.

Esse movimento já era esperado pelo Governo Federal, de forma que quase simultaneamente ao anúncio da estagnação no crescimento econômico, foram anunciadas medidas de incentivo com a redução do IPI que incide sobre produtos da chamada “linha branca” que inclui geladeiras, fogões, microondas e máquinas de lavar.

Mais

Desaceleração da economia brasileira preocupa países vizinhos do Brasil


Os países vizinhos do Brasil estão apreensivos com o desempenho da economia brasileira. Os sinais de desaceleração ficaram claros com a divulgação do resultado do PIB (Produto Interno Bruto) do terceiro trimestre deste ano, que registrou variação zero em relação ao trimestre anterior, de acordo com o IBGE.

preocupaçao

Assessores dos governos e analistas econômicos destacaram que o desempenho da economia brasileira tem hoje influência maior nos países vizinhos do que a crise europeia e dos Estados Unidos.

“O que acontece no Brasil hoje afeta diretamente a economia argentina. A crise na Europa ainda é para nós um fato distante. Por isso, o resultado do PIB merece nossa atenção. Se o Brasil vai bem, podemos exportar mais para seu mercado“, disse o economista argentino Diego Giacomini, da consultoria Economia e Regiões, de Buenos Aires.

Mais

Condiciones de uso de los contenidos | Responsabilidad

| Canal Brasil