Busca:

Superando o Reino unido em matéria econômica Itamaraty quer criar novos cargos


No momento em que o Brasil consolida um novo papel político e obtém o posto de sexta maior economia do mundo, superando o Reino Unido, o alcance internacional da presença brasileira entra em pauta no Senado.

Brasil supera UK na economia

Logo após o recesso parlamentar, deverá ser votado em Plenário o projeto de lei da Câmara que estabelece a criação de 400 cargos de diplomata e de 893 cargos da carreira de oficial de chancelaria, para provimento gradual ao longo dos próximos quatro anos. A matéria tramita em regime de urgência.

O projeto já obteve pareceres favoráveis das Comissões de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE) e de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ). Mas a intensidade do debate a respeito do tema nesta última comissão indica a possibilidade de uma ampla discussão também no Plenário, onde ocorrerá a última votação, antes – no caso de aprovação – de envio da matéria à sanção presidencial.

 

De um lado, o governo empenha-se em demonstrar a importância da ampliação do quadro do Itamaraty, ao assinalar o “maior protagonismo brasileiro” no cenário econômico e político mundial. Na exposição de motivos encaminhada pelo então ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, ressalta-se o empenho no cumprimento de metas da política externa, como a integração da América do Sul, a aproximação com a África e a “transformação da relação do Brasil com as grandes potências”. De outro, a oposição critica o alto custo, em tempos de austeridade, da ampliação dos quadros do Itamaraty: aproximadamente R$ 600 milhões.

Ao apresentar seu voto contrário à proposta, na CCJ, o senador Demóstenes Torres (DEM-GO) questionou a “importância estratégica” dos países onde o Brasil tem estabelecido novas representações diplomáticas. Ele recordou que o comércio com muitos desses países tem sido bastante limitado, citando o exemplo da Tanzânia (US$ 18,5 milhões) e de São Tomé e Príncipe (US$ 600 mil). Além disso, recordou que o Orçamento da União para 2012 deixou de fora reajustes para funcionários públicos.

– Não podemos, neste momento, aumentar gastos. Isso é uma loucura! – criticou.

Em resposta, a senadora Marta Suplicy (PT-SP) disse ser necessário se pensar o país no longo prazo. Os investimentos brasileiros na expansão de sua presença na África, no Caribe e no Oriente Médio, a seu ver, justificam-se pelos resultados obtidos. Apenas com a África, observou, houve um aumento de US$ 2 bilhões no comércio, que alcançou US$ 11 bilhões até novembro. Ela ressaltou também o “retorno político” dos investimentos: em seis anos, mencionou, houve um aumento de 31% no número de embaixadas estrangeiras em Brasília.

– Se queremos continuar a ter essa expansão econômica em outros países, acompanhada de prestígio internacional, nada mais justo que dar esses cargos para o Itamaraty, que é um orgulho brasileiro – disse Marta.

O relator do projeto na CCJ, senador Luiz Henrique (PMDB-SC), afirmou, na mesma reunião, que o projeto não pode ser debatido apenas pelo que representa em termos de despesas para o Tesouro. Ele lembrou que o aumento da presença internacional brasileira levou à criação, desde 2006, de 32 novas embaixadas e 15 repartições consulares. Atualmente, como informou, o Brasil conta com 228 missões diplomáticas em todo o mundo.

– Esse projeto tem que ser olhado pelo novo papel estratégico, pelo novo papel político que o Brasil passou a desempenhar no cenário internacional – disse Luiz Henrique.

Post Relacionados

1 Comentário

RSS de comentários. TrackBack URI

  1. […] Fica também em destaque o fato de que todas as categorias de uso estão otimistas em relação aos investimentos em […]

    Pingback por Favoráveis expectativas do empresariado industrial para 2011 — 4 de novembro de 2012 #

Deixe um comentário

XHTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Condiciones de uso de los contenidos | Responsabilidad

| Canal Brasil