Busca:

Mudanças estruturais na economia determinam a redução das taxas de juros no Brasil, avalia BC


O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) avalia que houve “mudanças estruturais significativas na economia brasileira”. A informação consta da ata da última reunião do comitê que decidiu, por unanimidade, no dia 18 deste mês, reduzir a taxa básica de juros, a Selic, em 0,5 ponto percentual para 10,5% ao ano. Foi o quarto corte seguido de 0,5 ponto percentual.

Economia9

Segundo o Copom, essas mudanças “determinaram recuo nas taxas de juros em geral, e, em particular, na taxa neutra [juro real que permite o crescimento, sem pressões nos preços]”. “Apoiam essa visão, entre outros fatores, a redução dos prêmios de risco, consequência direta do cumprimento da meta de inflação pelo oitavo ano consecutivo, da estabilidade macroeconômica e de avanços institucionais.”

Além disso, acrescenta o Copom, “o processo de redução dos juros foi favorecido por mudanças na estrutura dos mercados financeiros e de capitais, pelo aprofundamento do mercado de crédito bem como pela geração de superávits primários [economia para o pagamento de juros da dívida pública] consistentes com a manutenção de tendência decrescente para a relação entre dívida pública e PIB [Produto Interno Bruto, soma de todos os bens e serviços produzidos no país]”.

Transformações

Para o Comitê, “todas essas transformações caracterizam-se por um elevado grau de perenidade – embora, em virtude dos próprios ciclos econômicos, reversões pontuais e temporárias possam ocorrer”. O Copom considera ainda que as transformações “contribuem para que a economia brasileira hoje apresente sólidos indicadores de solvência e de liquidez”.

O Copom também avalia que têm contribuído para a redução das taxas de juros no país, o aumento da oferta de recursos externos e a redução no seu custo de captação.

Além disso, a desaceleração da economia brasileira no segundo semestre do ano passado maior do que se esperava e a postergação de uma solução definitiva para a crise financeira europeia também contribuem para a redução da Selic. “O Copom atribui elevada probabilidade à concretização de um cenário que contempla a taxa Selic se deslocando para patamares de um dígito”.

Post Relacionados

4 Comentários

RSS de comentários. TrackBack URI

  1. […] a queda havia sido de 1,5% na mesma base de comparação. O resultado confirma a tendência de desaceleração do setor ao longo dos últimos […]

    Pingback por Cai Índice de Confiança do Comércio em outubro — 24 de maio de 2012 #

  2. […] PIB (Produto Interno Bruto), ante os 41% projetados para 2010. Também foi procurado para falar da inflação. Ele defendeu uma visão oposta ao consenso do mercado, afirmando que os analistas deveriam focar […]

    Pingback por O encontro dos Ministros de Fianças da Zona do Euro no Eurogrupo — 3 de novembro de 2012 #

  3. […] deixando a economia nacional em sua melhor forma: o Brasil registra o maior crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) dos últimos 25 […]

    Pingback por Economia vive melhor momento dos últimos 25 anos — 3 de novembro de 2012 #

  4. […] PIB (Produto Interno Bruto), ante os 41% projetados para 2010. Também foi procurado para falar da inflação. Ele defendeu uma visão oposta ao consenso do mercado, afirmando que os analistas deveriam focar […]

    Pingback por O encontro dos Ministros de Finanças da Zona do Euro no Eurogrupo — 4 de novembro de 2012 #

Deixe um comentário

XHTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Condiciones de uso de los contenidos | Responsabilidad

| Canal Brasil