Busca:

Escalada da Selic pode estagnar a economia


O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) se reunirá na semana que vem para definir a “dosagem” de aumento da taxa básica de juros (Selic), esperada pelos analistas financeiros e sinalizada na ata da última reunião do colegiado de diretores do BC, dias 18 e 19 de janeiro.crecimiento-de-las-empresas-2_21091817

De acordo com o boletim Focus da última segunda-feira (21), resultado de pesquisa com uma centena de analistas de instituições financeiras, na semana passada, a expectativa média é que a Selic atual, de 11,25% ao ano, seja aumentada para 11,75%. Mas há também quem fale em 12%, em razão da persistência inflacionária.

Mas, qualquer que seja o reajuste (0,50 ou 0,75 ponto percentual) a ser anunciado na próxima quarta-feira (2), a medida é criticada antecipadamente pelo presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores nas Empresas de Crédito (Contec), Lourenço Prado.

Segundo ele, quanto mais altos os juros, mais atraente fica para o investidor estrangeiro aplicar dólares “baratos, lá fora”, para serem “engordados” aqui. Tanto que a elevação do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) externas e o “enxugamento” do compulsório bancário não conseguiram a esperada valorização do dólar em relação ao real.

A política de juros altos, de acordo com o dirigente da Contec, é “sob medida para atrair especuladores que ajudam o governo a sustentar a imensa dívida pública”. O resultado, acredita ele, será o “estrangulamento da economia”, com suspensão dos investimentos produtivos, volta do desemprego e estagnação das atividades geradoras de riqueza.

Também contrário à escalada dos juros, o professor de economia das Faculdades Integradas Rio Branco, Carlos Stempniewski, diz que sente uma “frustração profunda” sempre que o Copom eleva a taxa Selic, porque o Brasil acaba tendo que pagar mais juros para a banca financeira internacional.

Ele estima que o país vai pagar, neste ano, em torno de R$ 200 bilhões com os juros da dívida. Como esse dinheiro vem dos impostos, significa menos saúde, menos educação, menos inserção social, menos investimento no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), e por aí vai. “Para completar, os juros do crediário em geral também ficam maiores”, lamentou.

Post Relacionados

3 Comentários

RSS de comentários. TrackBack URI

  1. […] dívida de 290,4 milhões de reais (uns 161,4 milhões de dólares), com o reajuste da disponibilidade e aplicações, passou a gerar um caixa liquido de 37,2 milhões de reais (uns […]

    Pingback por Líder da produção de biodiesel reduz suas perdas em 2009 — 20 de outubro de 2011 #

  2. […] faz com que o povo brasileiro, antes preocupado em apenas proteger seu capital, tenha uma baixa educação financeira, apenas 0,6 % da população brasileira tem como investimento o mercado mobiliário enquanto 92 % […]

    Pingback por Porque a Bolsa de Valores brasileira tem tanta volatilidade, mesmo com o País cada vez mais sólido — 11 de junho de 2012 #

  3. […] compra do salário mínimo. Da data deste reajuste até outubro de 1961, quando ocorreu o primeiro reajuste do Governo de João Goulart, houve um total de seis reajustes. Neste período, além de os […]

    Pingback por Salário mínimo no Brasil — 5 de novembro de 2012 #

Deixe um comentário

XHTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Condiciones de uso de los contenidos | Responsabilidad

| Canal Brasil