Busca:

Economia brasileira acelera


Indicadores de produção industrial, vendas no varejo, licenciamento de carros, consumo de energia elétrica e fluxo de veículos nas estradas mostram que o desempenho da economia no terceiro trimestre será melhor do que o de abril a junho deste ano e do que o de igual período de 2008.

mfBXoD4

Economistas e representantes de entidades da indústria e do comércio preveem que, de julho a setembro, o PIB (Produto Interno Bruto) do Brasil deva subir cerca de 3% ante o trimestre anterior e 0,5% sobre igual período do ano passado.

O PIB do segundo trimestre deste ano vai ser divulgado hoje pelo IBGE. A expectativa é que o resultado seja positivo na comparação com o primeiro trimestre –algo entre 1,6% e 2%– e negativo em relação ao ano passado –a queda estimada é de 1% a 1,5%.

Se a previsão para o terceiro trimestre deste ano se confirmar, o ritmo da atividade da economia poderá voltar ao patamar em que estava até setembro do ano passado, mês que marcou o agravamento da crise financeira mundial.

A recuperação da produção industrial em julho na comparação com junho é citada como um dos principais indicadores de que o pior da crise já passou. "O setor industrial foi o que mais sofreu com a crise, principalmente as empresas exportadoras. A recuperação na produção, a partir de julho, a melhora na oferta de crédito, o bom desempenho do setor de serviços, o crescimento nas vendas do comércio e o aumento da confiança na economia mostram que o Brasil conseguiu driblar a crise", diz Fábio Silveira, sócio-diretor da RC Consultores.

"O que também estimula a economia neste trimestre são juros mais baixos, IPI reduzido para carros, material de construção e eletrodoméstico, além do aumento da renda do trabalhador", afirma Ariadne Vitoriano, analista da Tendências.

Demanda doméstica

Apesar da retração econômica, a massa real de salários no país não caiu –de janeiro a julho deste ano subiu 4,81% ante igual período do ano passado. "A recuperação da economia veio da demanda doméstica. O consumidor voltou até a tomar crédito, um sintoma de que a economia está melhorando de fato", diz Sérgio Vale, economista-chefe da MB Associados.

O ritmo de atividade das fábricas está subindo mês a mês desde fevereiro, apesar de ainda não ter alcançado o patamar de julho de 2008, segundo a Sondagem da Indústria de Transformação da FGV.

Em agosto, o nível de utilização da capacidade da indústria, com ajuste sazonal, foi de 81,3%, maior do que o registrado nos meses de dezembro de 2008 a julho deste ano, quando ficou entre 78% e 79%.

"Mês a mês vemos melhora nas vendas, na produção e nas exportações. Combinado com a recuperação da confiança e com a normalização na oferta de crédito, esse ambiente resulta na recuperação que se vê hoje na economia", afirma Armando Monteiro, presidente da CNI (Confederação Nacional da Indústria).

O consumo de itens de valores mais baixos, que dependem mais da renda do consumidor, como alimentos e roupas, reagiu a partir de maio, o que não ocorreu com os produtos que dependem de financiamento, como eletroeletrônicos.

Desde junho, as vendas à vista estão maiores do que as de igual período do ano passado, segundo levantamento da Associação Comercial de São Paulo. As vendas a prazo continuam em queda, situação que deve mudar a partir de 2010.

Post Relacionados

1 Comentário

RSS de comentários. TrackBack URI

  1. […] Havia um descompasso entre a oferta e a demanda, daí o grande aumento das importações. A desaceleração é positiva, pois coloca a economia em […]

    Pingback por Economia brasileira desacelera e expande somente 0,5% no último trimestre — 4 de novembro de 2012 #

Deixe um comentário

XHTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Condiciones de uso de los contenidos | Responsabilidad

| Canal Brasil