Busca:

Classe C vai sustentar um aumento de 40% do PIB até 2020


A classe média será a principal responsável por sustentar um crescimento acumulado de 40% do PIB da economia brasileira até 2020, segundo pesquisa da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio-SP) divulgada nesta quarta-feira. O estudo, “A evolução da classe médio e seu impacto no varejo”, considera como classe média, ou classe C, as famílias com renda mensal entre 1,4 mil e 7 mil reais.

Economia7

Para a instituição, o crescimento do poder aquisitivo da população ficará mais evidente nos próximos anos, principalmente nas classes baixas. A renda per capita da população, que em 2010 era de 19.342 reais, deve crescer 30% nas classes A (famílias com rendimento mensal acima de 11 mil reais) e B (entre 7 mil e 11 mil reais) e 50% nas demais.

A classe C, que hoje representa 54% da população e responde por 51% da renda, deve ter consumo equivalente ao das classes A e B somadas em 2015. O consumo familiar no Brasil, estimado em 2,34 trilhões de reais em 2011, deve chegar a 3,53 trilhões em 2020 e representar 65% do PIB.

Transformação – Segundo a pesquisa, o país já passa por um forte processo de crescimento do mercado consumidor. Em 2003, cerca de 49% das famílias brasileiras pertenciam às classes A, B e C. Hoje, são 61%. “O Brasil de 2020 será um dos maiores mercados consumidores e uma das maiores economias globais”, diz o estudo. A taxa de desemprego passou de 11,7% para 6,7% e a massa real de salários aumentou em torno de 30% entre 2002 e 2010. “O Brasil tornou-se uma economia de classe média com renda maior e mais bem distribuída e ainda contará com o processo de inclusão de pessoas de faixas de renda mais baixas no mercado de consumo por mais essa década, ao menos”.

De acordo com a entidade, o comércio varejista foi um dos setores privilegiados com a mudança dos padrões sociais da população. “O comércio varejista quase dobrou de tamanho em sete anos”, diz a Fecomercio. O crescimento médio foi de 9% ao ano entre 2004 e 2010, um aumento real de 82% nas vendas no período.

Envelhecimento – Em 2020, o Brasil terá aproximadamente 207 milhões de habitantes. A população economicamente ativa, que atualmente conta com 130 milhões de brasileiros, deve chegar a 145 milhões. Para a entidade, o principal desafio do Brasil para os próximos dez anos é lidar com as consequências provocadas pelo envelhecimento da população.

“Se a última década foi do fortalecimento e crescimento da classe média, esta será focada no entendimento dos riscos e oportunidades envolvidos no envelhecimento da população”. O total de pessoas com mais de 60 anos deve pular dos atuais 18 milhões para 26 milhões em 2020. Com o aumento da qualidade e da expectativa de vida, muitas pessoas com idade superior a 60 anos permanecerão no mercado de trabalho.

Post Relacionados

2 Comentários

RSS de comentários. TrackBack URI

  1. […] desempenho em 2011: “Criamos quase 2 milhões de empregos com carteira assinada. E o desemprego no Brasil atingiu o nível mais baixo dos últimos dez anos e chegou, em dezembro, a 4,7% – um recorde […]

    Pingback por Emprego e renda geram crescimento, afirma Dilma — 11 de junho de 2012 #

  2. […] PIB […]

    Pingback por As designações 3º mundo em vias de desenvolvimento e países do sul — 5 de novembro de 2012 #

Deixe um comentário

XHTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Condiciones de uso de los contenidos | Responsabilidad

| Canal Brasil