Busca:

Categoria Arquivos: PIB 2010

Notebooks vendem mais que desktops


Notebooks vendem mais que desktops conseguindo neste ano, pela primeira vez, a venda de computadores portáteis ultrapassou a de modelos de mesa no Brasil. Isso tem trazido mudanças ao mercado.

Segundo a Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee), devem ser vendidos 7,15 milhões de notebooks este ano, comparados a 6,85 milhões de desktops.

“O mercado de desktops não vai acabar, mas não tem tendência alguma de crescimento”, disse Ivair Rodrigues, diretor de Estudos de Mercado da IT Data. Em no ano 2009 haviam sido comercializados 5,15 milhões de PCs portáteis e 6,85 milhões de computadores de mesa. Mais

Governo combate irregularidades no comércio exterior


Governo combate irregularidades no comércio exterior enquanto o Secex poderá suspender inscrição de empresas no registro de importadores e exportadores.

A informação foi divulgada pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), que autoriza a Secretaria de Comércio Exterior (Secex) a suspender a inscrição, por até dois anos, de empresas e entidades no Registro de Exportadores e Importadores (REI) mantido pelo órgão.

Segundo o secretário de Comércio Exterior, Welber Barral, o “desafio agora é a competitividade”. Para o governo acontecerá somente se for comprovada a prática de atos irregulares em operações de exportação e importação. “Poderão ter o registro suspenso empresas que praticarem atos desabonadores que possam prejudicar o conceito do Brasil no exterior e as que não honrarem compromissos ou não efetuarem recolhimentos nos prazos e condições legais”, informou o MDIC.

Mais

O desemprego em SP cai a 10,7% em novembro


O desemprego em SP cai a 10,7% em novembro enquanto o total de ocupados no mês passado foi estimado pelo Seade/Dieese em 9,595 milhões de pessoas. O setor de serviços gerou 39 mil postos de trabalho, a indústria criou 19 mil, o comércio gerou mais 19 mil empregos e em outros setores foram criados 38 mil postos de trabalho em novembro.

Ao invés, em novembro, o total de desempregados na RMSP foi estimado em 1,150 milhão de pessoas. O nível de ocupação permaneceu estável. Em outubro, havia crescido 1,3%.

Ao mesmo tempo a pesquisa do Seade/Dieese mostra que em novembro a taxa de desemprego do conjunto de sete regiões metropolitanas caiu para 10,6% da População Economicamente Ativa (PEA). Em outubro a taxa foi de 10,8%. O total de desempregados nessas regiões somava 2,355 milhões de pessoas, 45 mil a menos do que em outubro. Mais

Conta corrente tem déficit de R$ 4,7 bilhões em novembro


Conta corrente tem déficit de R$ 4,7 bilhões em novembro, aponta Banco Central, o que representa 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB). As transações correntes do Balanço de Pagamentos apresentaram saldo negativo de US$ 4,7 bilhões, acumulando déficit de US$ 43,4 bilhões no ano e de US$ 49,4 bilhões, nos últimos doze meses, equivalente a 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB).

A conta financeira apresentou ingressos líquidos de US$ 7,7 bilhões no mês. De acordo com nota, destacaram-se os ingressos líquidos de investimentos estrangeiros diretos, US$ 3,7 bilhões, e de investimentos estrangeiros em ações, US$ 2 bilhões.

Por sua vez, a conta de serviços apresentou déficit de US$ 2,8 bilhões em novembro, 56,3% acima do registrado no mesmo mês de 2009. As despesas líquidas com transportes somaram US$ 618 milhões, com aumento de 53,1% na mesma base de comparação. A conta de viagens internacionais registrou déficit de US$ 955 milhões, ampliação de 85,8% no período comparativo, como resultado dos crescimentos de 54,2% nos gastos efetuados por brasileiros no exterior e de 19,5% nas despesas de turistas estrangeiros no País. Mais

Favoráveis expectativas do empresariado industrial para 2011


As previsões, segundo a Sondagem de Investimentos da Indústria de Transformação, realizada pela FGV (Fundação Getúlio Vargas), mostrou que são favoráveis as expectativas do empresário industrial para 2011 em setores como investimento, faturamento e emprego.

As conclusões são mais promissoras que as realizadas o ano passado em todos os quesitos. E o otimismo do resultado pode ser comparado ao verificado em 2007 para o ano de 2008, quando a economia do Brasil encontrava-se num período bastante aquecido. Entre outubro e novembro, para a sondagem foram consultadas 829 empresas, responsáveis por vendas de R$ 452 bilhões.

O estudo mostrou que em termos de capital fixo as projeções são positivas já que 55% das empresas estão programando investir mais em relação ao ano anterior. E a maior porcentagem desde o ano de 2005. Mais

Economia brasileira desacelera e expande somente 0,5% no último trimestre


Apesar de ter se desacelerado, a expansão da economia em 2010 deverá ser uma dos maiores do mundo, ressaltou ontem o ministro da Fazenda, Guido Mantega.

Mais moderada, a alta do Produto Interno Bruto (PIB) divulgada ontem pelo IBGE, de 0,5% no terceiro trimestre do ano, refrigerou a atividade ameaçada pelo superaquecimento porque abre a perspectiva de uma trajetória mais sustentável, com ameaças menores de aceleração da inflação e desequilíbrios externos.

Só nos nove primeiros meses, o PIB acumula crescimento de 7,5%. Como queda no último trimestre é pouco provável, o resultado entusiasmou Mantega, que projeta alta de 8% no ano. Entre os analistas, o alívio maior veio com os sinais de redução do ritmo de expansão. Mais

Produção e emprego devem crescer em 2011 impulsionados pela atividade industrial


A produção e emprego devem crescer em 2011 impulsionados pela atividade industrial. Para a Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro mais de 70% das empresas fluminenses pretendem aumentar a produção.

A pesquisa foi feita com cerca de 300 empresas fluminenses mostrando que uma em cada quatro empresas está trabalhando em ritmo de produção acima do esperado no quarto trimestre deste ano.

A projeção exibe que 70,7% das empresas pretendem aumentar a produção no ano que vem, enquanto 52,9% prevêem ampliar o número de contratações em relação a 2010, que já teve expansão para 41,4% dos consultados. “Uma em cada 2 empresas pretende elevar as contratações”, informou a diretora de Desenvolvimento Econômico da Firjan, Luciana de Sá. Linha de montagem (52,2%) e controle de qualidade (19,2%) são as áreas que devem liderar as contratações. Mais

Condiciones de uso de los contenidos | Responsabilidad

| Canal Brasil