Busca:

Aumenta a inadimplência por causa do aumento no descontrole do gasto


O descontrole de gastos foi a causa de calote do consumidor que mais cresceu nos últimos 12 meses, revela pesquisa sobre o perfil do inadimplente realizada pelo Instituto de Economia da Associação Comercial de São Paulo e pela Boa Vista Serviços.

inadimplencia

De acordo com a enquete, que consultou 800 inadimplentes na capital paulista na segunda quinzena deste mês, 18% dos entrevistados apontaram o descontrole de gastos como motivo de não pagamento das contas. Em setembro do ano passado, esse porcentual era bem menor – estava em 11%.

É bem verdade que o desemprego continua liderando o ranking dos fatores que provocam inadimplência, com 51% dos entrevistados neste ano e 48% em setembro de 2010. Mas o aumento em pontos porcentuais da participação desses dois fatores no período foi muito maior no caso do descontrole de gastos.

Fernando Cosenza, diretor de Inovação e Sustentabilidade da Boa Vista Serviços e responsável pela pesquisa, atribui esse acréscimo mais significativo do fator descontrole de gastos para o aumento da inadimplência ao fato de novas camadas sociais terem sido incorporadas ao mercado de consumo. “Em oito anos, 40 milhões de pessoas ascenderam socialmente, muitas delas que anteriormente não tinham conta em banco e acesso ao cartão de crédito.”

Essa falta de preparo para lidar com as finanças pessoais, especialmente com compras financiadas, pode ter levado, segundo o executivo, a um aumento do calote.

Outro dado da pesquisa que reforça esse raciocínio é que, neste ano, a maior fatia de inadimplentes está na baixa renda. A enquete mostra que 29% dos inadimplentes têm renda mensal familiar entre um e dois salários mínimos, ou de R$ 511 a R$ 1.020. No ano passado, 30% dos devedores tinham renda mensal familiar entre dois e três a salários mínimos.

Alerta. Apesar de o calote do consumidor ter aumentado nos últimos tempos, Cosenza diz que o cenário não é preocupante porque o emprego continua em alta, com uma taxa de desemprego de 6% da População Economicamente Ativa, a menor dos últimos tempos. Além disso, os juros continuam em queda e os bancos já estão mais rigorosos na concessão de empréstimos.

A pesquisa aponta, por exemplo, um resultado positivo que sinaliza a solvência dos inadimplentes e o desejo de voltar às compras a prazo no fim do ano. No mês passado, 63% dos inadimplentes informaram que pretendem quitar os débitos nos próximos 30 dias. Em março deste ano, essa fatia era de 60% e em setembro de 2010, de 50%.

Depois de quitadas as faturas atrasadas, 25% dos consumidores planejam voltar a comprar a prazo nos próximos meses. É um porcentual maior do que em março deste ano(23%) e praticamente igual a de setembro de 2010 (26%).

Post Relacionados

1 Comentário

RSS de comentários. TrackBack URI

  1. […] recente aumento da inflação, pressionada pelos custos dos alimentos, já criava apelos para uma alta do juro. Mas, após a interrupção surpreendente do ciclo de aperto monetário, o mercado não […]

    Pingback por O Silvio Santos, Copom, Juros: as dores de cabeça para Dilma — 4 de novembro de 2012 #

Deixe um comentário

XHTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Condiciones de uso de los contenidos | Responsabilidad

| Canal Brasil