Busca:

A economia do Brasil entrou para o grupo dos 20 maiores importadores segundo a OMC


O Brasil registra a maior expansão de importações do mundo entre as principais economias nos últimos cinco anos. Diante de um real valorizado e principalmente a expansão do consumo doméstico, o Brasil se transformou pela primeira vez no 20º maior importador do mundo.

Dados da Organização Mundial do Comércio (OMC) apontam que a economia nacional mais que dobrou o volume de importações desde 2005. A expansão superou inclusive as importações na China e, no que se refere à importação de serviços, o Brasil apresentou o maior crescimento mundial em 2010. O aumento das importações fez o Brasil voltar ao cenário do início dos anos 70, quando o País ainda dependia de petróleo. Naquela época, as compras brasileiras representam 1,2% da importação internacional.

O percentual caiu de forma importante e, em 2003, era de apenas 0,7%. Em termos gerais, o aumento de 43% nas importações de produtos no ano passado foi o terceiro mais elevado entre as maiores economias e teve uma expansão duas vezes superior à média mundial em 2010 em valores.

A invasão de produtos estrangeiros no Brasil teve uma alta superior ao que foi registrado nos demais países dos Brics (China, Índia e Rússia). A OMC destaca dois aspectos que explicariam o boom nas importações. De um lado, o real sofreu uma valorização de 15% no ano, tornando produtos importados mais competitivos. Outro fator é a expansão da economia brasileira, do crescimento do consumo privado e dos investimentos de empresas que acaba implicando na necessidade de importar máquinas e equipamentos.

Nos últimos cinco anos, o aumento médio de importações no Brasil foi de 20% por ano. Na Rússia, a expansão de importação foi de 15%, contra 16% na China e 18% na Índia. Nos Estados Unidos, a média de aumento de importação foi de meros 3%, contra 5% na Europa. A entrada de produtos chineses no Brasil aumentou em 60% em 2010.

A Coreia do Sul aumentou suas vendas ao mercado brasileiro em 74%, contra 93% de expansão para os produtos indianos. Os países ricos também registraram avanços acima de 30% no mercado brasileiro. Não por acaso, multinacionais e governos colocam o Brasil como prioridade em suas ofensivas de vendas e destino de verdadeiras campanhas para abrir o mercado nacional. Americanos e chineses estão praticamente empatados como maiores exportadores ao Brasil, com 30% de tudo o que País compra vindo dessas duas economias.

Em 2006, o Brasil ocupava a 29ª posição entre os maiores importadores e, em 2007, a 27ª.

Em 2008, as importações brasileiras cresceram três vezes mais que a média mundial – 44% – e o País teve o maior incremento entre as 30 maiores nações comerciais do mundo. Isso colocou o Brasil na 24ª posição entre os maiores importadores.

Post Relacionados

3 Comentários

RSS de comentários. TrackBack URI

  1. […] total previsto de US$ 860,379 bilhões em investimentos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2), que foi lançado em Brasília pelo governo, US$ […]

    Pingback por PAC 2, o plano para o crescimento. — 21 de outubro de 2011 #

  2. […] estão situados em Cuenca Oriente do Equador e permitiam contar com 2,4 mil barris diários de petróleo, volume equivalente a sua participação nesses campos […]

    Pingback por A Petrobras tenta solucionar o problema com o Equador — 3 de novembro de 2012 #

  3. […] no mercado brasileiro determinou o fortalecimento dos grandes fabricantes, principalmente das empresas multinacionais. “Os fabricantes menores ficaram numa situação complicada”, declarou […]

    Pingback por Notebooks vendem mais que desktops — 4 de novembro de 2012 #

Deixe um comentário

XHTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Condiciones de uso de los contenidos | Responsabilidad

| Canal Brasil